Jesus, a verdadeira alegria

baixe_o_material_-_Cpia

[Texto publicado na revista do pastor da Campanha de Missões Estaduais da Convenção Batista Baiana]

Tu multiplicaste a nação, a alegria lhe aumentaste; todos se alegrarão perante ti, como se alegram na ceifa, e como exultam quando se repartem os despojos“. Isaías9.3

Alegria, prazer, satisfação… Esse sentimento ou estado de plenitude e contentamento é aquilo que as pessoas mais procuram. Tem sido assim desde os primórdios da humanidade e muito mais nesses tempos de hedonismo e alta incidência das chamadas “doenças da alma”, de caráter emocional. O que se vê, é uma busca desenfreada pela felicidade, lançando-se mão de todos os recursos e artimanhas e despojando-se do que se fizer necessário para atingir este tão almejado objetivo, ainda que por breves períodos de tempo.

Este, na verdade, é o grande problema da humanidade nestes tempos. Almejam tanto ter alegria – ou ao menos momentos alegres – mas não conhecem sua fonte, sua razão. Muitos tem buscado nos prazeres carnais, no status social, no conhecimento, na política, nas relações, no sexo, entretenimento e até mesmo na religiosidade, porém, sem sucesso, reduzindo sua existência a reles momentos que se tornam cada vez mais insatisfatórios.

Conhecer a verdadeira fonte de alegria é a chave para a plenitude da condição humana. Este é o quadro que contemplamos em todas as páginas da Escritura. A alegria verdadeira não é um sentimento abstrato, tampouco o resultado de uma ação em si. Na realidade, a verdadeira alegria é uma Pessoa.

O livro do profeta Isaías, no capítulo 9, versículo 3, relata que o Senhor aumentaria a alegria do povo do Reino do Norte, uma vez sitiado pelos assírios. O texto afirma que este povo se alegraria diante de Deus, como quem se alegra na ceifa ou como quem reparte despojos. Todavia, embora vejamos um parcial cumprimento desta profecia, uma vez que dentre os que voltaram do exílio estavam muitos da Tribo do Norte (cf. 1 Cr. 9.3), a razão última do júbilo daquele povo não estava na parcial libertação do julgo, mas no fato que de nasceria um Príncipe, um menino que traria paz infinita; um Filho, que setecentos anos depois, ministraria a cabal libertação e o definitivo e perfeito Reino nas regiões ao norte de Israel (Mt 4.13-15).

Foi acerca d’Ele que o anjo falou a Zacarias, quando disse que seu nascimento traria alegria e regozijo (Lc 1.14); foi Ele quem foi anunciado como “boas novas de grande alegria” (Lc 2.10); que fez o ainda gestado João, saltar de alegria no ventre de sua mãe (Lc 1.44); que em Seu ministério terreno, apregoou o Seu Reino, que consistiria em justiça, paz e alegria no Seu Espírito (Rm14.17); que trouxe alegria por meio do perdão e salvação outorgados (Lc 19.6); que mesmo em Sua terrível morte vicária, consolou com a efetiva esperança de vida eterna (Lc 23.43); foi a Sua ressurreição e ascensão que traria uma alegria completa, que ninguém poderia tirar (Jo 17.1316.22). Foi esta alegria que motivou Sua recém instaurada comunidade de seguidores – a Igreja – a perseverar todos os dias (At 2.4613.52) e a apregoar intrepidamente cura e perdão (At 8.8). É Ele quem sustenta Seu povo frente às perseguições e intempéries da carreira de fé, é Sua presença e iminente volta que refrigera o angustiado (Fp 4.4); e essa certeza de plena e indizível satisfação é o que leva os Seus a ansiarem Seu triunfal retorno (Ap 22.20).

Sim! A Alegria veio a este mundo em forma humana (Jo 1.14), andou e comeu entre nós (Lc 24.41) e o Seu nome é Jesus, a salvação vinda do Pai. Este é a verdadeira razão e felicidade. Ele é o sentido da vida, que pregou que felizes são os que foram iluminados a compreender Sua graça e tem fome e sede de se parecerem com Ele, que em tudo foi santo, verdadeiramente Deus e homem, Vida, Verdade e Caminho. Somente Cristo Jesus, a alegria personificada, pode preencher a sede humana por gozo e satisfação, pois fomos feitos para Ele (Is 43.7Rm 11.35-36) e como dizia Agostinho de Hipona, nosso coração estará inquieto enquanto não repousar n’Ele, suprema Beleza e Luz Jubilosa.

É Jesus Cristo a alegria dos povos, o Ungido com óleo de alegria é a satisfação que o mundo tanto busca (Hb 1.9). Não são as coisas deste mundo, os aparentes prazeres carnais, prosperidade financeira ou mesmo boa saúde física que trarão plenitude aos homens, pois este foi feito para desfrutar de Deus e somente Ele o suprirá. Este é o ponto de partida, clímax e conclusão que cada crente batista baiano precisa trazer à tona, a fim de que o nosso estado seja impactado por essa tão boa notícia. Se Cristo for o anelo e alegria de nossos cultos, o tema dos nossos louvores, o assunto principal de cada pregação e Sua graciosa obra substitutiva o tema de nossa evangelização, a Bahia O conhecerá em Sua glória e a bandeira da salvação tremulará em cada recôndito desse estado.

Que o Pai, em Sua misericórdia, ilumine cada batista baiano, a fim de que contemplemos Jesus como Ele de fato o é, para que Ele seja a motivação de cada iniciativa missionária, a fim de que, assim como fora com o Reino do Norte, o povo baiano exulte e se alegre com o Cristo Vivo, reinando soberanamente em cada coração.

A Cristo Jesus Ressurreto em Poder, seja toda a glória.

Pr. Luan Almeida

 

Sem título

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s